Module File for piCal Not Found! Portal do Eleitor - Notícias - TSE - Mantida ação penal contra diretor-geral do Google Brasil por desobediência...
Menu Principal
Início
Notícias
Histórico

Central de Machetes
Manchetes Únicas

Agenda
Seções
Quem Somos
Contas Eleitorais
Dúvidas sobre o título
Referendo 2005
Votação e Justificativa
Eleitor no exterior
Mesário
Candidatos Eleições 2006
Site dos Mesários
Remanejamento de seções

Links
Enviar
Popular
Mais votados

Enquetes
Fóruns
Contato
FAQ
Parceiros
Downloads
Populares
Mais votados

Entrar

Quem nos visita
1 visitantes presentes (1 na seção: Notícias)

Associados: 0
Anônimos: 1

mais...

TSE : Mantida ação penal contra diretor-geral do Google Brasil por desobediência...
Enviado por Mauricio Faria em 22/03/2013 18:06:27 (1110 leituras internas)

Mantida ação penal contra diretor-geral do Google Brasil por desobediência a ordem eleitoral

Por unanimidade, os ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) negaram, na sessão desta quinta-feira (21), habeas corpus ao diretor-geral do Google Brasil Internet Ltda., Edmundo Luiz Pinto Balthazar, contra decisão do Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba (TRE-PB) que manteve a condução coercitiva do diretor e o registro da prática de crime por ele ter desobedecido ordem judicial eleitoral. Juiz eleitoral de primeira instância determinou à empresa, em setembro último, a retirada de um vídeo do Youtube supostamente ofensivo a Romero Rodrigues, candidato do PSDB à prefeitura de Campina Grande-PB nas eleições de 2012.

O TRE da Paraíba determinou a retirada do vídeo no prazo de 24 horas, o que teria sido desrespeitado pelo diretor do Google Brasil reiteradas vezes. Edmundo Balthazar afirmou, em sua defesa, que não teve a intenção dolosa de descumprir a ordem e que a decisão do Tribunal viola a liberdade de expressão e de informação, entre outros argumentos.

Relatora do pedido de habeas corpus, a ministra Nancy Andrighi afirmou que o diretor do Google Brasil desrespeitou ordem legítima de autoridade competente da Justiça Eleitoral, que determinou a remoção de vídeo ofensivo. Informa a ministra, de acordo com os autos do processo, que a Google Brasil, representada pelo seu diretor-geral, “recusou-se reiteradamente a cumprir uma determinação judicial legítima” de retirada de vídeo cujo conteúdo representaria propaganda eleitoral irregular.

“Essa conduta reveste-se de considerável gravidade, pois demonstra o dolo do paciente, o representante da empresa, de permanecer indiferente a comando exarado pelo Poder Judiciário, o que configura, em tese, crime de desobediência eleitoral tipificado no artigo 347 do Código Eleitoral”, afirmou a relatora.

Acrescentou a ministra que a ordem de remoção do vídeo ofensivo da internet “é medida de caráter cautelar, com o objetivo de evitar maiores danos à imagem da vítima, até o desfecho da representação por propaganda eleitoral irregular”. Segundo a relatora, por essa razão, não cabe uma empresa alegar a legalidade de vídeo para justificar o não cumprimento da determinação judicial, devendo para isso apresentar o recurso pertinente.

A ministra Nancy Andrighi afirmou que Edmundo Balthazar, na condição de diretor-geral do Google Brasil Internet Ltda., “é a pessoa que incumbe legalmente” cumprir a ordem judicial de retirada do vídeo da internet. “O TRE da Paraíba advertiu que o descumprimento da ordem acarretaria responsabilização criminal”, lembrou a relatora em seu voto.

EM/LF

Processo relacionado: HC 121148

Fonte : TSE - Centro de Divulgação

Imprimir Enviar esta notícia por e-mail
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.
CopyLeft (c) 2002-2010 - Desenvolvido por EasyInfo Ltda